Solar do Norte

Delegação do Sporting Clube de Portugal

Regulamento

DENOMINAÇÃO E OBJECTO

Art. 1º
O torneio denominado Solar do Norte Football Challenge é uma iniciativa do Solar do Norte do Sporting Clube de Portugal e tem como objectivo primordial promover a prática desportiva por parte de crianças residentes no Grande Porto, bem como a promoção da imagem do Sporting CLube de Portugal no norte do país.

Art. 2º
O torneio será disputado anualmente durante o mês de Julho, preferencialmente na segunda semana, e insere-se na celebração do aniversário do Solar do Norte do Sporting Clube de Portugal.

Art. 3º
Aos responsáveis pelas equipas participantes apela-se para que promovam uma salutar camaradagem e um espírito desportivo, já que o
grande objetivo é promover o desporto e a aquisição de experiências competitivas de carácter formal, através do confronto desportivo entre as equipas inscritas.

 

INSTALAÇÕES

Art. 4º
O Torneio decorrerá no Campo de Piso Sintético de Futebol 5 do Parque da Cidade do Porto.

Art. 5º
Só é permitida a entrada no recinto de jogo a pessoas devidamente identificadas.

Art. 6º
Não é permitido fumar no recinto de jogo e imediações.

Art. 7º
As equipas devem vir equipadas para o toneio. Para qualquer necessidade, poderão ser usados os balneários públicos do Parque da Cidade, embora qualquer dano causado nos mesmos será da responsabilidade da equipa que na altura o utiliza.

Art. 8º
Todos os jogadores deverão guardar os seus pertences no seu saco e arrumá-lo convenientemente na zona disponibilizada pela Organização junto ao recinto.

Art. 9º
A Organização não se responsabiliza pelo furto de quaisquer valores e/ou objetos.

 

SEGURO E PRIMEIROS SOCORROS

Art. 10º
A organização subscreveu um Seguro Médico de Desporto para os atletas participantes em caso de lesões ocorridas na disputa de um qualquer jogo do torneio.

Art. 11º
O torneio contará com a presença de Técnicos de Fisioterapia em todos os jogos. As equipas são responsáveis pelas condições de saúde de todos os seus atletas inscritos no Torneio, assim devem certificar-se se estão aptos e em boas condições de saúde.

 

ESCALÕES
Art. 12º
São aceites inscrições de equipas constituidas por atletas nascidos nos anos 2007 e 2008 (Escalão Benjamins) ou 2005-2006 (Escalão Infantis).

Art. 13º
Os jogos do Escalão Benjamins terão lugar na parte da manhã e do e Escalão Infantis durante tarde.

 

INSCRIÇÃO, ACREDITAÇÃO E CONTROLO DE EQUIPAS

Art. 14º
As inscrições são limitadas a 8 equipas, sendo 4 por cada escalão. As inscrições das equipas deverão respeitar as seguintes indicações, sob pena de não serem consideradas para o Torneio:

a) Cada equipa é constituida por 6 (mínimo) a 10 elementos (máximo), os quais devem ter nascido entre o ano 2005-2006 (escalão infantis) ou 2007-2008 (escalão benjamins).

b) Todos os campos indicados na ficha de inscrição devem estar corretamente preenchidos, de acordo com as indicações fornecidas.

c) Após o início do Torneio, não é permitido inscrever novos jogadores, nem o mesmo pode servir de justificação para a constituição da equipa quer por faltas, lesões ou outra situação.

Art. 15º
No dia do Evento, todas equipas deverão comparecer no complexo, 30 minutos antes do seu 1º jogo, para proceder à respetiva acreditação. Para facilitar todo o processo e evitar atrasos na acreditação, todas as equipas deverão ter à disposição:

a) Ficha de Inscrição, devidamente preenchida;
b) Bilhete de Identidade/Cartão de Cidadão de todos os Atletas.

Art. 16º
É obrigatória a identificação dos jogadores antes de cada jogo, através da apresentação do original do Bilhete de Identidade/Cartão Cidadão ou Licença.

Art. 17º
As equipas deverão apresentar-se na Mesa da Organização, equipadas, a fim de proceder à identificação dos atletas e agentes desportivos, 30 minutos antes da hora marcada para o início do jogo. Nessa altura far-se-á o sorteio para escolha do campo ou bola, por um membro da equipa de arbitragem, por meio de uma moeda. As equipas no início de cada jogo, após a indicação do árbitro, alinhar-se-ão em fila e farão uma saudação ao público, e de seguida saudarão a outra equipa.

 

MODELO DA PROVA

Art. 18º
O torneio divide-se em 3 fases:
Fase I – Grupos

Na fase I são constituídos 2 grupos, cada um com 4 equipas, cujos participantes jogam a uma volta por por pontos e destina-se a apurar a classificação dentro de cada série.

Fase II – Meias-finais

O 1º classificado joga com o 4º classificado e 2º com o 3º para apuramento dos finalistas.

Fase III – Final

A Final é disputada pelas equipas que vencerem as partidas das Meias-Finais (Fase II).

 

Art. 19º
As partidas das Fases I e II têm a duração de 15 minutos sem intervalo; a partida da Final (Fase III) tem a duração de 20 minutos, divididos em duas partes de 10 minutos, sem intervalo mas com mudança de campo.

Art. 20º
Cada partida terá um árbitro/cronometrista, munido de apito.

Art. 21º
A classificação de cada equipa na Fase I é obtida a partir da pontuação alcançada nos jogos disputados, segundo o critério seguinte:

  •  3 Pontos por VITÓRIA
  •  2 Pontos por EMPATE com golos
  •  1 Ponto por EMPATE sem golos
  •  0 Pontos por DERROTA
  •  -1 Ponto por FALTA DE COMPARÊNCIA com vitória para a outra equipa por 3-0

 

Art. 22º
São considerados os seguintes critérios de desempate, pela seguinte ordem sequencial:

1) Se duas ou mais equipas obtiverem o mesmo número de pontos, considera-se classificada no lugar superior a equipa que tiver alcançado o maior número de pontos no jogo efetuado entre si.

2) Em caso de nova igualdade pontual, considera-se classificada no lugar superior a equipa que possuir a maior diferença global entre golos marcados e sofridos, também nos jogos efetuados entre elas.

3) Se a igualdade se mantiver, considera-se classificada no lugar superior a equipa que tiver obtido maior diferença entre os golos marcados e sofridos em todos os jogos disputados.

4) Em caso de igual diferença de golos, considera-se classificada no lugar superior a equipa que, em todos os jogos disputados, tiver marcado o maior número de golos.

5) Se persistir essa igualdade, considera-se classificada no lugar superior a equipa que somar maior número de vitórias em todos os jogos disputados.

6) Se nova igualdade se verificar, considera-se classificada no lugar superior a equipa cuja média de idades de todos os jogadores for inferior.

 

Art. 23º

Nos jogos da “Fase III – Final” que terminem empatados o desempate far-se-á recorrendo à marcação de pontapés da marca de grande penalidade, não havendo recurso a prolongamento. Será realizada uma série de 3 penalidades e caso o empate se mantenha, séries de um (“morte súbita”), até encontrar um vencedor.

 

LEIS DE JOGO

Art. 24º
As regras de jogo a aplicar são as da Federação Portuguesa de Futebol com as adaptações constantes no presente Regulamento.

Art. 25º
Os jogos disputam-se num campo em piso sintético devendo ter forma retangular com as dimensões típicas de futebol 5.

Art. 26º
A partida será jogada por duas equipas de 5 jogadores cada uma, podendo cada uma delas apresentar para jogar o máximo de 10 jogadores, um do qual será o Guarda-Redes.

Art. 27º
Qualquer outro jogador da equipa poderá trocar o seu posto com o do Guarda-Redes, desde que previna o Árbitro/Cronometrista, e este pare o jogo.

Art. 28º
Uma equipa só pode jogar se apresentar o mínimo de 5 jogadores e entre eles um Guarda-Redes.

Art. 29º
O número de substituições é ilimitado, podendo o jogador substituído retomar o jogo sem restrições.

Art. 30º
A substituição ocorrerá sempre pela linha central, na zona delimitada para o efeito.

Art. 31º
O guarda-redes só pode ser substituído com autorização do árbitro e numa paragem de jogo.

Art. 32º
Não se aplica a lei de fora de jogo.

Art. 33º
O equipamento dos jogadores deverá ser constituído por uma camisola, calção, meias, caneleiras e chuteiras de pitons de borracha ou sapatilhas. Não é permitido o uso de chuteiras com pitons de alumínio.

Art. 34º
Não é permitido o uso de equipamentos de clubes rivais do Sporting Clube de Portugal, nomeadamento do FCP e SLB.

Art. 35º
As equipas serão distinguidas através do uso de coletes de jogo e de banco disponibilizados pela organização.

 

PRÉMIOS

Art. 36 º
Todos os atletas participantes irão receber um diploma de participação no torneio.

Art. 37º
Os atletas vencedores de cada escalão irão receber uma medalha.

Art. 38º
Os atletas que obtiverem mais golos marcados (um por cada escalão) receberá o troféu de Melhor Marcador.

Art. 39º
A Organização será responsável pela atribuição do troféu de Melhor Guarda-Redes (um por cada escalão) mediante votação.

Art. 40º
A Organização será responsável pela atribuição do troféu de Melhor Jogador (um por cada escalão) mediante votação.

 

FAIR PLAY E DISCIPLINA

Art. 41º
Os árbitros são participantes do Torneio e estão a desempenhar as suas funções gratuitamente, tal como as equipas, nesse sentido deverem ser sempre respeitados, mesmo aquando do cumprimento do código disciplinar.

Art. 42º
A Organização tentará ser rigorosa na aplicação da disciplina e atenta ao Fair-Play porque considera fatores importantíssimos no bom desenvolvimento do Torneio.

Art. 43º
Todas as equipas, seus intervenientes e qualquer atleta, sem exceção, tanto no campo, como no recinto, têm que se submeter às regras impostas pela organização.

 

CASOS OMISSOS
Art. 44º
Todos os casos omissos serão decididos pela Organização, não havendo para os mesmos recurso, nem protestos.

Theme by Anders Norén